REUTERS/Marco Bello
REUTERS/Marco Bello

Chavista dissidente diz estar 'preparada para tudo' em processo de destituição

Segundo Luisa Ortega Díaz, a Justiça da Venezuela é usada para "perseguir a dissidência política"

O Estado de S.Paulo

21 de junho de 2017 | 14h56

CARACAS - A procuradora-geral da Venezuela, Luisa Ortega Diaz, disse na noite da terça-feira, 20, estar "preparada para tudo" após o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) abrir um processo preliminar que pode levar a chavista dissidente à destituição do cargo. Segundo ela, a Justiça da Venezuela é usada para "perseguir a dissidência política". 

"Quando se assume essas posições, precisamos estar preparados. Pessoas públicas devem assumir sua responsabilidade", disse a chefe do Ministério Público, que acrescentou que o TSJ tem-lhe negado acesso aos processos. "Desconheço o conteúdo da denúncia."

O TSJ acatou na terça-feira uma medida interposta pelo deputado chavista Pedro Carreño, que acusa a procuradora de "faltas graves" no exercício do cargo e solicitou que uma junta médica avalie a sanidade mental de Luisa Ortega. 

Os dois devem comparecer a uma audiência preliminar na sede do Judiciário venezuelano, que desde a vitória da oposição nas eleições legislativas de 2015 tem ditado diversas sentenças favoráveis ao governo. 

Luisa Ortega contestou com recursos junto ao TSJ nas últimas semanas tanto a convocação da Assembleia Constituinte feita pelo presidente Nicolás Maduro, quanto a própria nomeação dos juízes da Corte, feita às pressas pela legislatura passada, ainda sob controle chavista. / AFP

Tudo o que sabemos sobre:
VenezuelaNicolás Maduro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.