Chavistas e militantes de Capriles brigam

Ao menos 14 pessoas ficaram feridas ontem em confrontos entre partidários do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, e do candidato da oposição à presidência, Henrique Capriles. O incidente ocorreu na cidade de Puerto Cabello, a 212 km de Caracas enquanto o oposicionista visitava um reduto chavista da região.

CARACAS, O Estado de S.Paulo

13 de setembro de 2012 | 03h02

De acordo com testemunhas, os militantes chavistas bloquearam uma rua para impedir a realização de um ato de Capriles. Os dois lados trocaram pedradas. Um carro da campanha opositora foi queimado. Alguns dos partidários de Capriles fugiram da briga e se esconderam em ruas próximas. Segundo a polícia do Estado de Carabobo, a maioria dos feridos teve contusões leves.

O chefe de campanha de Chávez, Jorge Rodríguez, acusou os oposicionistas de provocarem o confronto. Ele acusou a polícia de Carabobo, governado pela oposição, de brutalidade. "Eles (partidários do governo) têm o direito de protestar e se manifestar livremente", disse Rodríguez. "O polícia atacou o povo com selvageria."

Capriles, que discursou após o incidente, responsabilizou Chávez e "pequenos grupos radicais" pela violência. "Essas ações não são espontâneas, têm um responsável", declarou. "É você (Chávez) que quer esse cenário. Você quer semear o medo e que os venezuelanos enfrentem uns aos outros." / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.