Chef japonês se encontra com líder da Coréia do Norte

Um chef japonês que serviu ao falecido líder da Coréia do Norte, Kim Jong-il, visitou Piongiang pela primeira vez em onze anos e se encontrou com o novo líder e sua esposa, Ri Sol-ju, a quem ele descreveu como sendo “"bonita e encantadora," relatou a mídia japonesa no sábado.

Reuters

04 de agosto de 2012 | 16h48

Kenji Fujimoto, um pseudônimo, que trabalhou como chef pessoal do falecido líder, no final dos anos 80 e na década de 90, disse aos repórteres em Pequim, ao voltar da sua viagem, que Kim Jong-un ficou feliz por se encontrar com ele durante a sua viagem de duas semanas, de acordo com relatos das agências de notícias Kyodo e Jiji.

Fujimoto, que em 2003 publicou um livro de memórias do tempo em que foi chef do líder, disse que o jovem Kim "gostou muito" de comer o atum que levou para ele, disse a Kyodo.

O chef japonês, cujo livro oferece uma rara visão dos bastidores da vida familiar dos governantes, agora usa sempre óculos escuros, uma variedade de acessórios de cabeça e mudou de casa frequentemente, indicando que ele sente que a sua vida está ameaçada.

Fujimoto conheceu o jovem Kim quando trabalhou como chef para o seu falecido pai durante 13 anos, a partir de 1988, em uma época em que mais de um milhão de norte coreanos morreram de fome.

Nas suas memórias, Fujimoto mostrou o jovem Kim como sendo o filho favorito de seu pai. Ele chamou o mais jovem dos filhos de Kim de "príncipe" e escreveu que ele era o mais parecido com o pai.

Ao responder se eles conversaram sobre questões ligadas às relações da Coréia do Norte com o Japão, como por exemplo, e os antigos sequestros de cidadãos japoneses em Piongiang, Fujimoto disse apenas: "Não fui visitar (a Coréia do Norte) a trabalho do governo."

Entre uma série de questões que causam tensão nas relações entre a Coréia do Norte e o Japão, está o rapto de cidadãos japoneses por agentes norte-coreanos há décadas.

Tudo o que sabemos sobre:
COREIACHEFJAPONS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.