Chefe brasileiro da Missão de Paz no Haiti é encontrado morto

Urano Teixeira da Matta Bacellar, comandante brasileiro da Missão de Paz das Nações Unidas no Haiti (Minustah), foi encontrado morto com uma ferida de disparo de bala, em seu quarto de hotel, na manhã deste sábado. De acordo com a organização, o corpo do oficial brasileiro foi transportado ao hospital da Missão da ONU, controlado por militares argentinos. De acordo com o assessor de informações do Exército, tenente-coronel Fernando da Cunha Matos, Bacellar foi vítima de ?acidente com arma de fogo?. Matos não deu mais detalhes sobre o incidente.Fontes da Minustah também disseram que, aparentemente, a morte de Bacellar foi acidental, tendo o disparo ocorrido enquanto o militar manipulava sua arma.O Hotel Montana está neste momento cercado de militares, policiais e ambulâncias.As primeiras informações oficiais divulgadas dão conta de que o general brasileiro foi atingido com um tiro na cabeça, mas não se sabe se Urano se suicidou ou foi vítima de um acidente ou de umassassinato.A morte de Barcellar aconteceu enquanto a Minustah levava a cabo uma operação militar em Cite Soleil,o bairro mais conflituoso dePorto Príncipe e onde fica o quartel-general do grupo armado que apóia o ex-presidente Jean Bertrand Arsitide, exilado na África doSul.O Centro de Comunicação Social do Exército (CcomSEx) confirmou a morte do general de divisão do Exército brasileiro. O Exército ainda não informou a causa da morte e nem detalhes sobre o ocorrido. Informa apenas que soltará uma nota à imprensa sobre o ocorrido. O general Urano, que estava em Porto Príncipe desde 31 de agosto do ano passado, foi encontrado morto no apartamento em que mora, no hotel Montana. Ele era casado e tinha dois filhos.A Minustah tem sido alvo de duras críticas nos últimos dias devido à crescente insegurança, principalmente na capital haitiana, Porto Príncipe. A força militar conta com cerca de 7.500 militares provenientes de 14 países. Seu contingente militar mais importante é o brasileiro, com 1.213 homens.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.