Chefe da AIEA confirma danos em núcleos de três reatores no Japão

Medida mostra preocupação da AIEA com a situação das usinas japonesas

Reuters

16 de março de 2011 | 17h06

 

VIENA - O diretor da Agência Internacional de Energia Atômica da ONU (AIEA), Yukiya Amano, confirmou nesta quarta-feira, 15, que três reatores da usina nuclear de Fukushima Daiichi, na província japonesa de Fukushima (noroeste do país), foram danificados pelas consecutivas explosões após o terremoto que atingiu o país na sexta-feira.

 

Veja também:

blog Twitter: Siga a correspondente Cláudia Trevisan, que está no Japão

especial Infográfico: Entenda o terremoto maiores tragédias dos últimos 50 anos

especial Especial: A crise nuclear japonesa

documento Relatos: envie textos, vídeos e fotos para portal@grupoestado.com.br

som Território Eldorado: Ouça relato do embaixador e de brasileiros no Japão

mais imagens Galeria de fotos: Tremor e tsunami causam destruição

blog Arquivo Estado: Terremoto devastou Kobe em 1995

 

"A situação na usina de Fukushima Daiichi é muito séria. Danos nos núcleos de três unidades, os reatores número 1, número 2 e número 3, foram confirmados. Mas não houve mudanças significativas desde ontem (terça-feira). Os núcleos permanecem cobertos", disse Amano em uma coletiva. "Não sabemos a situação exata nos recipientes dos reatores, mas a pressão de dentro se mantém acima da pressão atmosférica. Isso sugere que eles permanecem praticamente intactos."

 

Amano anunciou que embarcará na quinta-feira, 17, para o Japão a fim de buscar informações de primeira mão sobre a situação em Fukushima. A medida indica a crescente preocupação da AIEA, encarregada de promover a utilização segura da energia nuclear, sobre a falta de informações rápidas e detalhadas do Japão a respeito da crise em curso.

"É diferente receber dados por e-mail de Tóquio ou sentar com eles e trocar pontos de vista", afirmou Amano, que é japonês, em entrevista coletiva. "Nós sempre precisamos melhorar o fluxo de informação", afirmou, acrescentando que espera reunir altos funcionários japoneses, mas que não está decidido se ele irá à usina, danificada durante o terremoto de sexta-feira no país.

Apesar da sua crescente preocupação, Amano disse que não é o momento de dizer se a situação está fora do controle, conforme sugeriu um alto funcionário europeu em declarações que derrubaram as bolsas. "Não é o momento de dizer que as coisas estão fora de controle", afirmou Amano. "Os operadores estão fazendo o máximo para restabelecer a segurança do reator."

O veterano diplomata falou num dia em que os técnicos japoneses chegaram a deixar a usina devido aos níveis elevados de radiação, e um helicóptero foi impedido de se aproximar para jogar água num dos reatores avariados. Mais cedo na quarta-feira, outro incêndio havia atingido a usina, que nas últimas 24 horas tem mandado níveis baixos de radiação na direção de Tóquio, causando medo na capital e alerta na comunidade internacional. "É uma situação muito séria", afirmou Amano.

 

Situação no Japão

 

Segundo o chefe da AIEA, mesmo após a constatação dos danos, o quadro na usina não mudou muito desde o primeiro vazamento de material radiativo. Em outro sinal potencialmente ameaçador, ele sugeriu que a água estava a um nível que deixou exposto até dois metros dos núcleos que sustentam as barras de combustível atômico, mas a pressão no interior sugere que os vasos do reator estão intactos.

A empresa Tokyo Electric Power, operadora da usina, disse que o reator número 3 - o de Fukushima que usa plutônio como combustível - é a sua "prioridade." O plutônio, quando absorvido pelo organismo humano, pode passar anos na medula óssea e no fígado, e causar câncer.

A AIEA, que tem mandato para compartilhar informações com os Estados membros quando há uma emergência nuclear, também enfrentou críticas na mídia e em comentários postados em sua página do Facebook por causa do fornecimento escasso e desatualizado de informações. A agência diz que só pode fornecer as informações que recebe e verifica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.