Eric Thayer/The New York Times
Eric Thayer/The New York Times

Trump confirma que diretor da CIA se reuniu com Kim Jong-un

Encontro 'correu muito suavemente e uma boa relação foi formada', disse o presidente americano em sua conta no Twitter

O Estado de S.Paulo

18 Abril 2018 | 00h53
Atualizado 18 Abril 2018 | 09h19

WASHINGTON - O presidente dos EUA, Donald Trump, confirmou nesta quarta-feira, 18, que o diretor da CIA, Mike Pompeo, se reuniu com Kim Jong-un na Coreia do Norte, antes de um encontro previsto entre o republicano e o líder norte-coreano.

+ Diplomacia pelo Twitter: 14 vezes em que Trump usou a rede social para divulgar sua política

+ Trump põe no comando da segurança nacional um linha-dura analista de TV

"Mike Pompeo se reuniu com Kim Jong-un na Coreia do Norte na semana passada. A reunião correu muito suavemente e uma boa relação foi formada. Detalhes da cúpula estão sendo trabalhados agora", escreveu Trump em sua conta no Twitter. "A desnuclearização será uma grande coisa para o mundo, mas também para a Coreia do Norte."

+ Os EUA, entre Coreia e Irã

+ Trump desdenha acordo com o Irã e dificulta negociações com a Coreia do Norte

O jornal The Washington Post havia informado na véspera sobre uma viagem de Pompeo à Coreia do Norte na primeira semana de abril. Trump havia confirmado um encontro de "muito alto nível" entre Washington e Pyongyang, mas sem revelar a identidade das pessoas envolvidas.

O presidente americano afirmou que se reunirá com Kim no início de junho, ou até mesmo antes, e ressaltou que cinco locais estão sendo considerados para o encontro. 

Ainda na terça-feira, Trump deu sua “bênção” às conversações para acabar com o conflito na península coreana, preparando o cenário para um importante passo diplomático e uma série de futuras cúpulas.

As declarações indicam que as conversas entre Coreia do Norte e Coreia do Sul, previstas para o dia 27, poderão abordar um possível tratado de paz para substituir o armistício firmado em 1953. / NYT, W.POST e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.