Chefe da Igreja Luterana critica política belicista dos EUA

Os EUA estão usando a guerra como instrumento político e tornaram-se poderosos demais para parar com isso, disse o presidente da Federação Luterana Mundial na abertura da assembléia da entidade que se reúne a cada seis anos e que representa mais de 60 milhões de fiéis em 76 países. O bispo emérito luterano, Christian Krause, criticou a guerra liderada pelos EUA no Iraque como injusta e contrária às normas legais. ?As leis internacionais não podem garantir a paz se os EUA não as respeitam e preferem substituí-las pelo direito dos poderosos?, disse Krause no discurso que abriu a assembléia da Federação. ?A superioridade militar americana é agora tão grande que os EUA não precisam temer nenhum oponente em todo o mundo?, acrescentou. ?E eles resolveram usar a guerra como instrumento político quando ela serve a seus próprios interesses?. Krause defendeu o diálogo entre cristãos e muçulmanos para melhorar as relações mútuas e pediu que os luteranos se comuniquem com os cristãos evangélicos americanos, os quais foram criticados por Krause por apoiarem maciçamente a guerra. ?Estou me referindo às igrejas evangélicas mais conservadoras... especialmente nos EUA, as quais, no momento, têm, no mínimo... uma influência problemática na política externa americana e, portanto, na política mundial predominante?. A guerra é apenas um dos temas que serão discutidos na assembléia que termina em 31 de julho, e durante a qual os mais de 400 representantes luteranos presentes ao encontro debaterão a pobreza, a fome e a divisão entre as religiões.

Agencia Estado,

23 Julho 2003 | 08h45

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.