Chefe da missão da ONU no Haiti está desaparecido

O chefe da missão da Organização das Nações Unidas (ONU) no Haiti, o diplomata tunisiano Hedi Annabi, está desaparecido após o terremoto de ontem no país do Hemisfério Norte. A Jordânia confirmou que três mantenedores de paz jordanianos morreram no tremor. Já Pequim informou que havia oito soldados chineses presos entre os escombros e mais dez desaparecidos.

AE-AP, Agencia Estado

13 de janeiro de 2010 | 10h48

O número de mortos após o forte terremoto que atingiu a capital do Haiti, Porto Príncipe, pode chegar a centenas, disse um médico local. "Quando tivermos uma ideia do número de vítimas, ele será medido em centenas", afirmou o médico, que estava coberto de sangue e tratando de um ferimento no braço esquerdo.

Vários prédios vieram abaixo com o tremor de 7 graus na escala Richter, seguido por três abalos secundários. O terremoto foi considerado o mais violento a atingir o Haiti em mais de 200 anos. Nuvens de poeira cobriram a capital Porto Príncipe durante horas, por causa dos desabamentos.

Veículos da polícia e das Nações Unidas podiam ser vistos transportando os feridos para atendimento. O Palácio Nacional foi reduzido a escombros e dezenas de milhares perderam suas casas. Muitos estavam nas ruas hoje, implorando pela ajuda de médicos. Muitas residências no país são precárias e já oferecem riscos em condições normais. "Os hospitais não podem lidar com todas essas vítimas", reconheceu Louis-Gerard Gilles, um médico e ex-senador, enquanto ajudava as vítimas. "O Haiti precisa orar. Todos temos que orar juntos."

Em Washington, o Departamento de Estado informou que acredita numa "séria perda de vidas". O porta-voz P.J. Crowley disse que funcionários da Embaixada dos Estados Unidos no Haiti relataram cenas de destruição dentro e fora da capital. "Eles falaram de muitas paredes caídas e viram vários corpos nas ruas e calçadas que tinham sido atingidas pelos escombros."

As comunicações estavam cortadas em todo o país, impossibilitando uma visão plena sobre os estragos causados também pelos tremores secundários que sacudiram a empobrecida nação. Fontes das Nações Unidas reconheceram que há um número não divulgado de funcionários da entidade mundial desaparecidos. Em muitos lugares, não havia eletricidade. Com informações da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
HaititerremotoONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.