Chefe da ONU irá mediar conflito na Faixa de Gaza

Segundo ele, o cessar-fogo é "indispensável" para que os urgentes esforços humanitários sejam bem-sucedidos

Agência Estado

18 Julho 2014 | 20h09

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, parte neste sábado rumo ao Oriente Médio para ajudar a mediar as negociações referentes ao conflito na Faixa de Gaza, envolvendo Israel e o Hamas. A informação foi dada pelo subsecretário-geral para Assuntos Políticos das Nações Unidas, Jeffrey Feltman, que participou hoje de reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU para tratar do assunto.

Segundo ele, o cessar-fogo é "indispensável" para que os urgentes esforços humanitários sejam bem-sucedidos. Para Feltman, a agência de refugiados da ONU já está em seu limite.

O embaixador palestino na ONU, Riyad Mansour, ameaçou recorrer à entidade e aos tribunais internacionais - o que provavelmente inclui o Tribunal Penal Internacional - se o Conselho de Segurança da ONU não agir para proteger os civis palestinos dos ataques de Israel e acabar com o conflito em Gaza.

Para Mansour, a "selvagem" agressão de Israel na Faixa de Gaza "não pode ser justificada por qualquer meio". "Isso não é auto-defesa", enfatizou. "Isso é uma agressão militar vingativa e intencionalmente planejada", disse. Ele ainda acrescentou que a campanha israelense é projetada para destruir "a unidade palestina e colocar em colapso o governo de consenso nacional".

O embaixador israelense, Ron Prosor, por sua vez, afirmou que o Hamas estava usando ambulâncias com crianças "para mover seus terroristas ao redor de Gaza". Segundo ele, o Hamas "vive pela violência e celebra a morte". "Eu quero ser claro, nossas forças estão lutando em Gaza, mas eles não estão lutando contra o povo de Gaza.", destacou. Fonte: Associated Press

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.