Chefe da ONU na Síria condena massacre em Houla

O chefe da missão da ONU na Síria, general Robert Mood, condenou neste sábado a tragédia em Houla, na província de Homs. Mood disse que condena "nos mais fortes termos a tragédia brutal", acrescentando que monitores da ONU visitaram a área e contaram 92 corpos, "incluindo mais de 32 abaixo de 10 anos".

AE, Agência Estado

26 Maio 2012 | 14h52

"Aqueles usando violência para suas próprias agendas vão criar mais instabilidade, mais incerteza e podem levar o país à guerra civil", disse o general aos repórteres, em Damasco, descrevendo a violência como "indiscriminada e desproporcional".

Observadores rumaram neste sábado para Houla. A artilharia pesada usada sobre a cidade pelas forças do regime começou ao meio-dia da sexta-feira e continuou até o alvorecer do sábado, segundo o Observatório de Direitos Humanos na Síria, que calculou o número de mortos acima de 90.

"As circunstâncias que levaram a estas mortes trágicas ainda não estão claras", disse Mood. "Quem quer que tenha começado, quem quer que tenha respondido e quem quer que tenha continuado com este ato deplorável de violência deve ser responsabilizado."

Confirmando o uso de artilharia pesada em Houla, Mood também pediu que o "governo sírio para interromper o uso de tal artilharia e que todas as partes cessem todas as formas de violência". As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
Síria ONU massacre mortes Houla

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.