Chefe da ONU pede diálogo para resolver crise com Coreia do Norte

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse nesta terça-feira que a crise envolvendo a Coreia do Norte foi longe demais, e que a solução depende do diálogo.

Reuters

02 de abril de 2013 | 10h37

"Ameaças nucleares não são um jogo. A retórica agressiva e o exibicionismo militar só resultam em contra-ações, e alimentam medo e instabilidade", disse o sul-coreano durante visita oficial a Andorra.

Nos últimos dias, o regime comunista norte-coreano ameaçou travar uma guerra contra a Coreia do Sul e usar armas nucleares contra o território dos EUA, mas na terça-feira o jovem líder Kim Jong-un pareceu abrandar essa retórica, ao insistir no caráter dissuasivo do seu arsenal nuclear.

"As coisas devem se acalmar, já que essa situação, agravada pela falta de comunicação, pode levar a um caminho que ninguém desejaria seguir", disse Ban, oferecendo ajuda às partes para iniciar um diálogo.

"Estou convencido de que ninguém pretende atacar (a Coreia do Norte) por causa de discordâncias a respeito do seu sistema político ou política externa. No entanto, temo que outros respondam firmemente a qualquer provocação militar direta", disse ele.

Ele também pediu às autoridades norte-coreanas que respeitem as resoluções do Conselho de Segurança da ONU.

(Reportagem de Julien Toyer, em Madri, e Stephanie Ulmer-Nebehay, em Genebra)

Tudo o que sabemos sobre:
ONUBANCOREIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.