Chefe da ONU pede mais 3,5 mil soldados no Haiti

Falta de combustível pode afetar operações humanitárias.

BBC Brasil, BBC

18 de janeiro de 2010 | 17h51

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse nesta segunda-feira que pediu para que o Conselho de Segurança da entidade aprove o envio de mais 3,5 mil soldados e policiais ao Haiti.

Ban fez as declarações após visitar neste domingo o país devastado pelo terremoto da semana passada, que pode ter matado centenas de milhares de pessoas.

"Recomendei ao Conselho de Segurança aumentar o número de policiais da ONU na missão em 1,5 mil ou seja 67% acima dos níveis atuais", disse ele.

"Também recomendei que o número de soldados aumente em 30%, ou dois mil homens, por seis meses."

"As cenas de partir o coração que vi ontem (domingo) nos impulsionam a agir rápida e generosamente", completou.

O Conselho de Segurança deve tomar uma decisão sobre o assunto nesta segunda-feira ou na terça-feira.

Combustíveis

Também nesta segunda-feira, a ONU alertou que a falta de combustíveis pode prejudicar seriamente os esforços humanitários no Haiti.

A porta-voz da agência humanitária da ONU Elizabeth Byrs disse a situação vem se tornando "mais e mais crítica" e que restrições já vem sendo adotadas.

"O sistema nacional de telecomunicações foi parcialmente restaurado, mas, sem acesso a combustível, a rede de telefonia celular será cortada em dias, o que terá implicações sérias para as operações humanitárias", disse ela.

A ONU chegou a um acordo com militares americanos que controlam o aeroporto de Porto Príncipe para que voos com ajuda humanitária recebam prioridade para aterrissar na capital haitiana.

Durante o final de semana, organizações assistenciais reclamaram que militares americanos estariam tendo prioridade sobre aviões carregando suprimentos, o que estaria atrasando as operações de ajuda.

A ONU calcula que um terço dos haitianos, ou cerca de 3 milhões de pessoas, foram afetados pelo terremoto e que 2 milhões de pessoas precisariam urgentemente de comida.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
haitiunião europeiaporto príncipe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.