Chefe da ONU se diz 'alarmado' com novas penas de morte no Egito

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas, Ban Ki-moon, expressou preocupação nesta segunda-feira com a notícia de que um tribunal egípcio emitiu uma série de condenações à pena de morte contra o líder da Irmandade Muçulmana e outros 682 apoiadores do movimento atualmente banido no país, informou o escritório de imprensa da ONU em um comunicado.

Reuters

28 de abril de 2014 | 15h38

"O secretário-geral está alarmado com a notícia de que outra sentença preliminar de morte coletiva foi decretada hoje (segunda-feira) no Egito, a primeira das quais saiu em 24 de março", diz o informe.

"Veredictos que parecem descumprir claramente os padrões básicos de um julgamento justo, especialmente aqueles que impõem a pena capital, provavelmente irão minar as perspectivas de estabilidade no longo prazo", acrescentou o comunicado da entidade.

Em uma declaração emitida em Londres, a Irmandade Muçulmana descreveu as sentenças como arrepiantes e disse que "continuará a utilizar todos os meios pacíficos para pôr fim ao governo militar".

(Reportagem de Louis Charbonneau)

Tudo o que sabemos sobre:
EGITOPENASDEMORTE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.