AP
AP

Chefe da Otan se opõe ao fornecimento de armas à Síria

Anders Fogh Rasmussen pediu uma solução diplomática e reiterou que a Otan não tem 'qualquer intenção de intervir na Síria'

AE, Agência Estado

02 de abril de 2012 | 15h03

BRUXELAS - O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Anders Fogh Rasmussen, disse nesta segunda-feira, 2, que a aliança se opõe ao fornecimento de armas à oposição síria, alertando que a atitude levaria à proliferação de armamentos na região.

Rasmussen pediu uma solução diplomática e reiterou que a Otan, que liderou a ofensiva aérea que contribuiu para a queda do ditador líbio Muamar Kadafi no ano passado, não tem "qualquer intenção de intervir na Síria."

Os opositores sírios pedem armas para que possam lutar contra a violenta repressão iniciada há um ano contra dissidentes do governo sírio, mas membros da Liga Árabe, Estados Unidos, França e Alemanha evitaram o assunto na reunião dos "Amigos da Síria", ontem, na Turquia.

"Eu não acho que fornecer armas a qualquer grupo seria o a caminho certo", disse Rasmussen durante coletiva, demonstrando apoio aos esforços diplomáticos liderados pelo enviado especial da ONU, Kofi Annan. "Há um claro risco de que o fornecimento de armas a qualquer grupo na Síria também levaria a uma proliferação potencialmente perigosa de armamentos na região."

As forças do presidente sírio Bashar Assad mantiveram hoje a campanha repressiva, bombardeando redutos rebeldes no norte do país. Para Assad, a reunião dos "Amigos da Síria" foi um fracasso.

Segundo Rasmussen, no entanto, a Otan está monitorando a situação na Síria de perto e sabe que a situação pode atingir a vizinha Turquia, membro da aliança. "É absolutamente ultrajante o que temos testemunhado na Síria", disse.

As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
SíriaOtanarmas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.