Chefe de espionagem palestino ferido em atentado

O chefe de espionagem palestino, aliado do presidente Mahmoud Abbas, sofreu ferimentos graves num atentado a bomba contra seu gabinete neste sábado. Serviços de segurança classificaram o ataque como tentativa de assassinato. Não houve reivindicação de responsabilidade, mas a explosão, no fosso do elevador de um complexo fortemente guardado, ocorre num momento de crescente tensão entre Abbas e o grupo extremista Hamas, que controla o Parlamento e o gabinete de ministros. Abbas e o Hamas disputam o comando das forças policiais palestinas.O chefe de espionagem, Tareq Abu Rajab, que já havia sobrevivido a um atentado dois anos atrás, é uma figura importante no Fatah, partido de Hamas. O Fatah não chegou a lançar uma acusação contra o Hamas pelo ataque, mas alguns membros do partido exigiram que Abbas dissolva o governo dominado pelos extremistas e convoque eleições antecipadas. Abbas referiu-se à explosão como "infeliz" e disse que ela traz um "grave perigo" para a Autoridade nacional Palestina (ANP).A explosão ocorreu pouco antes do meio-dia (hora local), no quartel-general da espionagem, no norte da Cidade de Gaza. Abu Rajab, juntamente com sei assessores, tinha entrado num elevador e estavam quase chegando ao segundo andar quando houve a detonação. Um guarda-costas morreu imediatamente, e Abu Rajab e os demais ocupantes do elevador sofreram ferimentos graves.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.