Chefe de inspetores acusa Iraque de contrabando

Os inspetores das Nações Unidas encontraram grande quantidade de materiais comprados ilegalmente pelo Iraque, mas ainda não determinaram se eles poderiam ser usados em um programa de armas de destruição em massa, declarou ontem o chefe dos peritos da ONU, o sueco Hans Blix, em uma longa entrevista à rádio britânica BBC. "É evidente que o Iraque importou materiais vinculados a armamentos, violando proibições do Conselho de Segurança", afirmou.Em sua edição de hoje, o diário britânico The Times assinala, citando altos funcionários britânicos, que as partes de motoresde mísseis descobertas pelos inspetores podem estar ligadas a umprograma de mísseis de longo alcance e isso poderia ser a provade que o Iraque mantém um programa de armas de extermínio.Blix mencionou partes de mísseis em seu informe preliminar ao CS, na semana passada. Na ocasião, segundo The Times, essarevelação não pareceu significativa porque a ONU não proíbe oIraque de manter mísseis com alcance de até 150 quilômetros,para autodefesa. No entanto, as suspeitas agora são de que aspeças se destinavam a armas de longo alcance. O dossiê britânicosobre os programas armamentistas iraquianos, divulgado emsetembro pelo primeiro-ministro Tony Blair, sustentava que opaís estava desenvolvendo mísseis com até mil quilômetros dealcance. Não por acaso, os inspetores centraram hoje a vistoria numa fábrica de mísseis e uma oficina de motores na região de Bagdá.Na mesma entrevista à BBC, Blix explicou que os inspetoresestão ampliando seu raio de ação, depois de terem recebidoinformações dos serviços de inteligência britânicos e americanos como reivindicara. Ele terá de apresentar no dia 27 ao CS umbalanço completo sobre as inspeções e também relacionará umconjunto de tarefas programadas até o fim de março, quando faránovo relato. Nesse ínterim, a equipe de inspetores seráaumentada. "Na resolução de novembro não foi especificada umadata para o fim do trabalho de inspeção", lembrou.Blix endossou o argumento dos EUA e da Grã-Bretanha de que cabe ao Iraque apresentar evidências de que destruiu seu arsenal."Eles têm de mostrar provas verificáveis", disse. Demonstrando crescente impaciência com o governo iraquiano, o presidente dos EUA, George W. Bush, afirmou hoje estar "irritado e cansado" com os engodos do país e insistiu que o tempo para que o Iraque cumpra as exigências da ONU está correndo. Apenas um dia antes o diretor da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Mohamed el-Baradei, observara serem necessários vários meses para os inspetores examinarem todos os locais suspeitos. No entanto, o porta-voz de Bush, Ari Fleischer destacou que cabe a Saddam Hussein, o líder iraquiano, desarmar-se e não à ONU provar que o país não tem mais armas de extermínio.Hoje, a TV americana ABC informou, mencionando fontes no governo, que os EUA poderão precisar de mais de 350 mil homens para atacar e ocupar o Iraque - bem mais do que Bush previa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.