REUTERS/Joshua Roberts
REUTERS/Joshua Roberts

Chefe de investigação sobre interferência russa nos EUA deixará governo, diz jornal

Rosenstein é uma figura central na investigação sobre a interferência da Rússia na campanha eleitoral de 2016

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de janeiro de 2019 | 20h53

WASHINGTON - Rod Rosenstein, subsecretário de Justiça, que supervisiona as investigações sobre a Rússia, deve deixar o Departamento de Justiça assim que o Senado confirmar o nome do indicado pelo presidente Donald Trump para comandar o departamento, disseram nesta quarta-feira, 9, duas fontes ao jornal New York Times.

Rosenstein é uma figura central na investigação sobre a interferência da Rússia na campanha eleitoral de 2016. Ele ganhou protagonismo depois que o então secretário de Justiça, Jeff Sessions, foi obrigado a se retirar da chefia das investigações em razão do papel que teve na campanha de Trump. 

Assim, o caso caiu nas mãos de Rosenstein, número 2 do departamento, que apontou o procurador especial Robert Mueller para conduzir o inquérito. Insatisfeito com a condução do processo, Trump demitiu Sessions e nomeou William Barr para o cargo de secretário de Justiça. As audiências de confirmação de Barr estão marcadas para começar no dia 15.

Recentemente, Barr fez uma análise do trabalho de Mueller e criticou duramente os poderes dados ao procurador especial e os caminhos seguidos por sua equipe. Considerado um nome leal ao presidente, Barr condenou especialmente o fato de Mueller manter o foco de sua investigação nas tentativas de obstrução da Justiça por parte de Trump. O fato de ter tomado partido no caso deve tornar sua sabatina no Senado ainda mais complicada. / NYT 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.