Chefe de polícia de Israel critica ativistas judeus

O chefe de polícia de Israel, Yohanan Danino, criticou ativistas judeus que buscam ter maior acesso ao Monte do Templo (chamado pelos árabes de Nobre Santuário), local sagrado em Jerusalém para as duas religiões. "As pessoas querem mudar o status quo. Deixe o Monte do Templo em paz. Você não sabe com o que está mexendo", disse Danino. A região é o centro da recente onda de violência entre judeus e árabes e onde está localizada a mesquita de Al-Aqsa e o Domo da Rocha.

Estadão Conteúdo

25 de novembro de 2014 | 16h17

Judeus são aconselhados a não ir até lá. Os palestinos encaram as visitas de judeus ao local como provocativas e um sinal de invasão israelense. Em um acordo que vigora há bastante tempo, os judeus são permitidos a visitar o santuário, mas não a rezar. Nos últimos meses, um crescente número de judeus fervorosos foram ao templo. Muitos buscam maior acesso ao local e o direito a rezar.

Uma série de ataques feito por árabes-israelenses e palestinos mataram 11 israelenses nas últimas semanas. A motivação deles é a defesa do local sagrado. Yehuda Glick, ativista judeu do Monte do Templo, foi ferido com tiro em um desses ataques.

A tensão entre árabes e judeus fez com que uma apresentação pública de Amir Benayoun, um astro pop local, fosse cancelada. O cantor iria lançar uma música ficcional sobre um árabe que apunhala judeus. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelJerusalémtemplo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.