Pedro Costa/Efe
Pedro Costa/Efe

Chefe de política externa da UE encontra líderes da Irmandade Muçulmana

Catherine Ashton viaja ao Egito e também se reúne com governo interino para pedir transição

O Estado de S. Paulo,

17 de julho de 2013 | 12h11

CAIRO - Figuras importantes da Irmandade Muçulmana, grupo do presidente deposto do Egito, Mohamed Morsi, vão se reunir com a chefe de política externa da União Europeia (UE), Catherine Ashton, que visita o Cairo nesta quarta-feira, 17, disse o movimento islâmico.

"Nós vamos nos encontrar com a sra. Ashton para expressar nossa posição sobre legitimidade e democracia, com a esperança de que ajudem a democracia e respeitem as escolhas feitas pelo povo egípcio", disse Mohamed Bishr, membro do conselho consultivo da Irmandade, à Reuters.

"Nós não somos contra reuniões com representantes de nenhum país para expressar a nossa posição em defesa da democracia e da legitimidade", acrescentou. O porta-voz da Irmandade, Gehad El-Haddad, disse que Ashton se reunirá com Bishr e Amr Darrag, que ocuparam altos cargos no governo Morsi.

Líderes da Irmandade não se reuniram com o subsecretário de Estado dos EUA, William Burns, que esteve no Egito no domingo e na segunda-feira. Segundo Bishr, eles não foram convidados.

Governo. Ashton também vai se encontrar com representantes do governo interino. "Vou ao Egito para reforçar nossa mensagem de que deve haver uma completa e inclusiva transição política, incluindo todos os grupos que apoiem a democracia", afirmou Ashton. "Vou reforçar que o Egito precisa voltar o mais rápido possível para a democracia."

Protestos. Os protestos contra o golpe de Estado continuam nesta quarta-feira. Milhares de partidários de Morsi saíram às ruas para pedir a volta dele ao poder.

No centro do Cairo, os manifestantes gritavam palavras de ordem do lado de fora de edifícios do governo. "Abaixo a ditadura militar" e "todos somos Morsi", dizem os manifestantes.

Perto da Praça Tharir, houve confronto entre os partidários da Irmandade e a polícia, que colocou tanques para evitar a tomada da praça - palco dos protestos contra Morsi antes do golpe de Estado./ REUTERS

 
Tudo o que sabemos sobre:
EgitoUnião Europeia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.