Chefe de segurança anuncia nova votação na Geórgia

Tedo Dzhaparidze, o poderoso secretário do Conselho de Segurança do presidente Eduard Shevardnadze, admitiu nesta sexta-feira que houve fraude nas eleições parlamentares da Geórgia e anunciou que será realizada uma nova votação. A afirmação de Tedo Dzhaparidze, responsável por supervisionar a polícia e as forças de segurança georgianas, foi feita depois de manifestantes terem saído às ruas de Tbilisi para pedir a anulação dos resultados do pleito de 2 de novembro e exigir a renúncia de Shevardnadze. Dzhaparidze disse que a ex-república soviética enfrenta "um perigo real de derramamento de sangue", talvez até pior que os choques ocorridos entre 1991 e 1992, depois da queda de Zviad Gamsakhurdia, antecessor de Shevardnadze. O secretário rechaçou energicamente a possibilidade de renúncia do presidente e disse que o novo Parlamento deve iniciar seus trabalhos. No entanto, ele esclareceu que o trabalho dos parlamentares será temporário, já que novas eleições serão realizadas em uma data ainda indefinida. Dzhaparidze acusou ainda assessores de Shevardnadze de terem repassado ao presidente informações erradas sobre a situação do país. Trata-se do primeiro indício da existência de uma disputa de poder entre funcionários do alto escalão do governo da Geórgia. Os pedidos de renúncia de Shevardnadze refletem o crescente ressentimento da população com os altos índices de desemprego, a pobreza e o caos. A comissão eleitoral havia declarado a votação válida, decretando a vitória do principal partido favorável a Shevardnazdze.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.