Chefe de serviço secreto é assassinado no sul do Afeganistão

Quatro supostos membros da milícia fundamentalista islâmica Taleban a bordo de motocicletas abriram fogo e mataram Mohammed Hakim, chefe do serviço secreto do distrito de Muqur, na província afegã de Ghazni, informou a polícia local. O ataque ocorreu na manhã desta quarta-feira, quando Hakim dirigia-se de casa para o trabalho a bordo de seu carro, disse o general Abdul Rahman Sarjang, comandante da polícia de Ghazni. Policiais que realizavam uma patrulha nas proximidades do local do ataque abriram fogo contra os agressores e detiveram um dos quatro suspeitos de participação no ataque. Os outros três fugiram na direção de montanhas próximas e foram perseguidos pela polícia. Sarjang disse acreditar que os suspeitos estejam encurralados pelos policiais em algum ponto remoto da região. Hakim é o segundo chefe de serviços secretos regionais a ser assassinado no Afeganistão em apenas dois dias. Na última terça-feira, o comandante do serviço de espionagem de um distrito da província de Nimroz foi assassinado, mas acredita-se que o crime não tenha relação com a insurgência. O Taleban é acusado de intensificar ataques contra líderes políticos locais como parte de uma campanha para desestabilizar o governo afegão apoiado pelos Estados Unidos. Em Cabul, o Ministério de Interior do Afeganistão informou que quatro homens assassinados na última terça-feira em Helmand, uma província do sul do país, eram membros de uma gangue de narcotraficantes, e não militantes do Taleban, como foi inicialmente informado. Também em Helmand, forças americanas detiveram um grupo de dez supostos insurgentes durante uma operação no distrito de Sangin, informou o exército dos EUA por meio de um comunicado divulgado nesta quarta-feira.

Agencia Estado,

05 Abril 2006 | 13h48

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.