Chefe do Exército de Israel admite erros com o Hezbollah

O chefe do Estado-Maior do Exército Israelense, Dan Halutz, reconheceu nesta terça-feira os erros cometidos no conflito com a milícia libanesa Hezbollah, mas declarou que não pensa em renunciar por causa disso, a não ser que seus superiores o peçam."Renunciar seria fugir", disse Halutz, que também declarou: "Quando assumo uma responsabilidade, a assumo". No entanto, o oficial de alta patente afirmou que se seus superiores o pedissem que renunciasse, ele o faria, embora tenha dito que ainda não ouviu nada neste sentido.A opinião pública israelense, e dentro dela inúmeras personalidades do espectro político e militar, pediu reiteradamente a renúncia de Halutz, chefe militar durante o único conflito que Israel não ganhou.Haluzt reconheceu que muitos dos objetivos do confronto não foram alcançados, particularmente o de impedir que o Hezbollah (financiado pelo Irã) lançasse foguetes contra o norte de Israel, onde caíram cerca de quatro mil projéteis durante o conflito.O chefe militar também negou que um dos principais objetivos da ofensiva tenha sido libertar os dois soldados israelenses capturados pelo Hezbollah numa incursão em território israelense, apesar de esse incidente ter sido o que desencadeou o conflito.Halutz também disse que, "durante a guerra, houve casos de oficiais que se recusaram a cumprir ordens por objeções morais" e que "um militar de alta patente foi suspenso". Numa conferência militar que precedeu a entrevista coletiva, o ministro da Defesa de Israel, Amir Peretez, cuja renúncia também é requerida pelos erros no conflito, assegurou que as infra-estruturas do Hezbollah sofreram grandes danos.Haluzt destacou, por fim, que agora quer continuar trabalhando para, em função das conclusões de um relatório sobre o conflito que está prestes a ser apresentado, "corrigir o que deve ser corrigido".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.