Chefe do Exército garante que não haverá golpe em Fiji

O chefe interino das Forças Armadas de Fiji, Esala Telani, afirmou nesta sexta-feira que o Exército não tem intenção de dar um golpe de Estado, apesar da crise entre militares e Governo. "Não estamos aqui para promover um golpe de Estado", disse Telani numa entrevista coletiva após uma manifestação da qual participaram mil soldados e reservistas. Citado pela agência australiana "AAP", Telani explicou que conversou com o seu superior, o chefe do Exército, Frank Bainimarama, pivô da crise fijiana. Bainimarama, que está em visita oficial ao Oriente Médio, se negou a renunciar ao cargo, como pede o Governo, e respondeu pedindo a renúncia do primeiro-ministro, Laisenia Qarase, que acusa de corrupção. Telani esclareceu que se reuniu esta manhã com Qarase para abrir um clima de diálogo entre o Governo e os militares. A crise explodiu quando Bainimarama exigiu que o Governo retirasse dois projetos de lei apresentados ao Parlamento. Um deles anistia os responsáveis pelo golpe de Estado de 2000 e o outro concede as terras litorâneas aos fijianos indígenas. O conflito tem suas raízes na rivalidade entre a comunidade de origem polinésia e melanésia (51% dos 906 mil habitantes) e a de origem indiana (44%). A crise econômica piora a situação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.