Jonathan Ernst / AP
Jonathan Ernst / AP

Chefe do Pentágono convoca reunião extraordinária sobre EI

Ash Carter assumiu o cargo há seis dias e afirmou querer entender melhor a estratégia americana de combate ao grupo jihadista 

O Estado de S. Paulo

23 de fevereiro de 2015 | 11h30


WASHINGTON - O secretário de Defesa americano Ash Carter convocou uma reunião extraordinária nesta segunda-feira, 23, seis dias após ter assumido o cargo, para discutir os aspectos mais importantes da estratégia de combate ao grupo Estado Islâmico (EI) e investigar os pontos fracos. O encontro ocorre em Campo Arifjan, no Kuwait.

Carter disse que reuniu uma série de generais americanos, diplomatas e oficiais de inteligência não apenas para ouvir sobre os progressos mais recentes no campo de batalha, mas também para entender melhor os fundamentos intelectuais da estratégia do presidente Barack Obama para combater o EI, o que inclui as formas como a força militar deve ser combinada com medidas políticas e econômicas para reverter os ganhos obtidos pelo grupo e, por fim, derrotá-lo.

Durante uma breve sessão de fotos no início do encontro, Carter disse que precisa entender melhor a abordagem do governo ao que ele chamou de problema "muito complicado", representado pelo grupo extremista. "É um problema que tem uma dimensão militar importante, mas não se trata puramente de um problema militar, trata-se de um problema político-militar."

Ao redor da enorme mesa estavam cerca de 25 graduados oficiais, dentre eles o general Lloyd Austin, chefe do Comando Militar Central; os enviados presidenciais John Allen e Brett McGurk; os comandantes das forças americanas na Europa e na África e embaixadores dos EUA na Jordânia, Kuwait, Arábia Saudita, Egito e outros países árabes, com participação na luta contra o EI. Carter chamou o grupo de "time América".

A reunião é altamente incomum para um chefe do Pentágono em início de mandato. Em vez de ir para o Iraque e conversar com os comandantes lá, Carter disse que queria um olhar mais amplo e profundo sobre o grupo jihadista.

Dentre outros importantes participantes estavam o general do Exército Joseph L. Votel, comandante do Comando de Operações Especiais dos EUA, e o tenente-general Michael Nagata, chefe do programa que treina e equipa uma força rebelde moderada na Síria. Vários dos principais auxiliares de Carter no Pentágono também participaram do encontro.

Em declarações para as tropas em Campo Arifjan, antes do início da conferência, Carter disse que a chave para o sucesso contra o EI é garantir que os países ameaçados pelo grupo possam preservar os ganhos obtidos pela campanha militar, liderada pelos EUA. /AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.