Chefe humanitário da ONU vai ao Sri Lanka discutir crise

Até 50 mil civis tâmeis podem estar apanhados na área em poder da guerrilha

EFE

25 de abril de 2009 | 05h04

O subsecretário-geral adjunto da ONU para Assuntos Humanitários, John Holmes, chegará neste sábado ao Sri Lanka, em uma visita de três dias, para estudar a situação das dezenas de milhares de civis apanhadas no conflito, confirmou o Governo local.

 

Holmes se reunirá com diferentes responsáveis governamentais para discutir as necessidades humanitárias na área de conflito e as condições nos acampamentos de deslocados onde o Governo está alojando dezenas de milhares de tâmeis que fogem da violência.

 

Exército cingalês lançou na última segunda-feira a ofensiva final para acabar com a guerrilha dos Tigres de Libertação da Pátria Tâmil (LTTE), que resiste em uma faixa litorânea de dez quilômetros quadrados onde estão os civis apanhados. O Governo afirma que entre 15 mil e 20 mil civis tâmeis estão apanhados na área em poder da guerrilha, mas a ONU calcula que ainda há aproximadamente 50 mil civis no local.

 

"Holmes discutirá com o Governo do Sri Lanka assuntos de muita importância, incluindo a necessidade de o Governo facilitar ativamente missões humanitárias para a região, e o acesso às pessoas deslocadas", disse ontem a porta-voz da ONU Marie Okabe. Okabe acrescentou que Holmes pedirá também a libertação do pessoal da ONU retido em acampamentos pelas autoridades cingalesas.

 

A visita de Holmes acontece pouco após de os Estados Unidos exigirem o fim imediato das hostilidades. Além disso, a Casa Branca defende a possibilidade de a guerrilha se render a uma terceira parte, informou neste sábado o jornal cingalês "The Daily Mirror".

Tudo o que sabemos sobre:
SRI LANKAEUALTTE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.