Chefes tribais ordenam estupro e são condenados à morte

Um juiz sentenciou na madrugada deste domingo (horário local) seis homens à morte por envolvimento no estupro coletivo de uma mulher determinado por um conselho tribal como punição à família dela. Oito outros envolvidos foram declarados inocentes. O juiz Zulifquar Ali Malik emitiu o veredito pouco depois da meia-noite na presença dos 14 réus. Os condenados serão enforcados. Entre os condenados à morte estão quatro acusados de praticarem o estupro e dois integrantes do conselho tribal que ordenou a violação em 22 de junho na vila de Meerwala. Eles também foram multados cada um em 40.000 rúpias (US$ 660). Os oito declarados inocentes também faziam parte do conselho. O estupro foi determinado pelo conselho depois que um clã de alto status, os mastois, acusou o irmão da vítima de ter tido relações sexuais com uma de suas mulheres. A família da vítima é de um clã de status inferior. O advogado de defesa Malik Salim adiantou que apelará da decisão num tribunal superior.

Agencia Estado,

31 Agosto 2002 | 16h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.