Chega a 200 o número de mortos por tufão no sul das Filipinas

Pelo menos 120 mil pessoas tiveram que deixar suas casas; parte está em abrigos

Agência Efe,

05 de dezembro de 2012 | 04h38

Atualizado às 6h05

 

MANILA - O número de mortos pelo tufão "Bopha", que atingiu o sul das Filipinas, já chega a 200 segundo as autoridades locais. Os trabalhos de resgate entre os escombros provocados por inundações e deslizamentos de terras prosseguem. As Forças Armadas se somaram às operações de resgate e assistência aos afetados, mas as condições do tempo e a situação do terreno dificultam as buscas.

 

Pelo menos 120 mil pessoas tiveram que deixar suas casas e parte está em abrigos disponibilizados pelas autoridades devido a inundações e deslizamentos principalmente nas regiões de Visayas e Mindanao, onde os soldados buscam dezenas de desaparecidos. O tufão, que alcançou na terça-feira, 4, ventos de 175 km/h e rajadas de até 195 km/h, perdeu força e se encontra sobre a ilha de Palawan, no oeste filipino, em direção ao Mar da China Meridional, segundo o serviço meteorológico Pagasa.

 

A tevê local "ABS-CBN" informou que 49 pessoas perderam a vida na cheia de um rio e deslizamentos de terra no Vale de Compostela, em Mindanao, uma área de jazidas de minério. Além disso, 51 pessoas morreram na província de Davao Oriental, também em Mindanao, enquanto há dez vítimas fatais em outros pontos desta ilha. O último relatório do Escritório de Defesa Civil também registra três mortes na província central de Visayas.

 

 

"Bopha" entrou na madrugada de terça-feira pelo sudeste do arquipélago e gerou fortes chuvas, que deixaram milhares de pessoas com água até a cintura, rios transbordados e estradas e plantações alagadas. A maior parte das pessoas que deixaram suas casas, cerca de 55 mil, vive nas províncias mais orientais de Mindanao, como Surigao do Norte e do Sul, Agusan do Norte, Lanao do Norte e Misamis Oriental.

 

As autoridades tinham se preparado para a chegada do tufão com o deslocamento de pessoas em zonas de risco e a suspensão das aulas nas províncias afetadas. Cerca de 150 voos foram suspensos e milhares de pessoas ficaram presas em portos, após a ordem da guarda litorânea de que os serviços marítimos fossem suspensos até novo aviso. "Bopha" ou "Pablo", como é conhecido localmente, fecha a temporada de tufões nas Filipinas, tempo em que surgem entre 15 e 20 destes fenômenos meteorológicos e que começa em junho e termina em novembro.

 

Cerca de 180 pessoas morreram nas Filipinas durante o mês de agosto após a passagem de vários furacões e depressões tropicais que inundaram, durante dois dias, 60% de Manila. Além disso, as inundações afetaram mais de três milhões de pessoas e tiveram um grande custo devido à destruição de construções e aos danos à agricultura.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.