Chega a 365 total de civis mortos em protestos no Egito

Pelo menos 365 pessoas morreram durante os 18 dias de protestos antigovernamentais que levaram à queda de Hosni Mubarak depois de quase 30 anos no poder, anunciou hoje o Ministério da Saúde do Egito. Trata-se da primeira contagem de mortes ocorridas durante as manifestações divulgada pelo governo.

AE, Agência Estado

16 de fevereiro de 2011 | 17h51

Ao fazer o anúncio, o ministro da Saúde, Ahmed Sameh Farid, observou que se trata apenas de uma contagem preliminar de civis mortos nos protestos. Segundo ele, não estão incluídos os policiais e os prisioneiros mortos no período.

Ainda de acordo com o ministro, 5.500 pessoas foram tratadas por ferimentos sofridos durante os protestos. Farid disse também que o Ministério da Saúde continua à espera de boletins de diversos hospitais e secretarias espalhados pelo país.

Grupos de defesa de direitos humanos advertem que o número de vítimas pode ser ainda maior, uma vez que centenas de pessoas continuam desaparecidas. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
EgitomortescivisprotestosMubarak

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.