Chega a 42,7 milhões o número de hispânicos nos EUA

A população hispânica dos Estados Unidos registrou crescimento de 3,3% entre 2004 e 2005, chegando a 42,7 milhões de pessoas, informou nesta quarta-feira o Departamento de Censo americana. Assim, os hispânicos se tornam a principal minoria étnica nos EUA - são cerca de 4 milhões de pessoas a mais do que a população de negros, que é de 39,7 milhões.De acordo com o departamento, os hispânicos representam quase metade do total de todas as minorias - 98 milhões de pessoas -, o equivalente a 33% de toda a população nacional, que é de 296,4 milhões de habitantes.Ainda no âmbito das minorias, os asiáticos são 14,4 milhões; os indígenas nativos do território continental e Alasca são 4,5 milhões; e os nativos havaianos e de outras ilhas do Pacífico são 990 mil.Já os brancos não hispânicos formaram uma maioria de 198,4 milhões em 2005, segundo o departamento.Entre julho de 2004 e julho de 2005, os hispânicos foram responsáveis por quase metade - 1,3 milhão de pessoas, ou 49% - do crescimento populacional total no período, que foi de 2,8 milhões de habitantes.Desse aumento de 1,3 milhão de habitantes, 800 mil correspondem a crescimento natural (nascimentos menos óbitos) e outros 500 mil são pessoas que imigraram para os EUA.Outro dado levantado pelo censo mostra que a população hispânica tem idade média de 27,2 anos, contra uma média de 36,2 anos verificada na população nacional. Entre os negros a média de idade é de 30 anos, e entre os asiáticos, 33,2 anos.O Departamento de Censo informou também que 12% da população dos Estados Unidos tem 65 anos ou mais, o equivalente a 36,8 milhões de pessoas, e que o número de habitantes com 85 anos ou mais chega a 5,1 milhões.Já o Centro Nacional de Estatísticas para a Saúde, com sede me Atlanta, no Estado da Geórgia, disse que a região sudeste do país concentra os maiores níveis de natalidade de hispânicos. Entre os Estados com os índices mais altos estão Kentucky (80%), Carolina do Sul (62%), Alabama (53%), Tennessee (53%) e Arkansas (40%), segundo o organismo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.