Reuters
Reuters

Chega à Síria missão de observadores da ONU e da OCI

Objetivo é promover um cessar-fogo e avaliar a situação humanitária no país

19 de março de 2012 | 08h35

DAMASCO - Uma missão de observação da ONU e da Organização da Conferência Islâmica (OCI) chegou nesta segunda-feira, 19, a Damasco para promover um cessar-fogo e avaliar a situação humanitária, informaram à Agência Efe fontes de ambas as organizações na Síria.

 

Veja também:

link TV ESTADÃO: veja trechos da entrevista do comandante do rebelde Exército Sírio Livre em Hama

link No Brasil, chanceler árabe defende ajuda a rebeldes

link Conflito na Síria faz centenas de vítimas fatais entre crianças

As fontes assinalaram que outra das tarefas da missão será preparar uma nova visita do enviado conjunto da ONU e da Liga Árabe para a Síria, Kofi Annan, que já esteve no país nos dias 10 e 11 de março para se reunir com o presidente Bashar al-Assad.

As fontes acrescentam que os observadores da ONU e da OCI já começaram sua missão de avaliação, supervisionada pelas autoridades sírias, em Homs (centro), Hama (centro), Tartus (oeste), Latakia (oeste), Alepo (norte), Deraa (sul) e em Rif Damasco (nos arredores da capital) para analisar as necessidades humanitárias.

A ONU calcula que mais de 30 mil sírios fugiram para países vizinhos, enquanto 200 mil se deslocaram para outras regiões da Síria.

Na sexta-feira passada, Annan mostrou perante o Conselho de Segurança da ONU sua decepção com as respostas de Damasco a sua mediação na crise do país, mas se mostrou decidido a continuar negociando após conseguir o apoio unânime desse órgão.

A chegada dos observadores aconteceu depois que no fim de semana passado foram registrados dois atentados em Damasco e Alepo, a segunda maior cidade síria, que deixaram quase 30 mortos e mais de uma centena de feridos.

Não é a primeira vez que observadores chegam ao país, já que em dezembro do ano passado uma missão da Liga Árabe foi à Síria, mas no final foi suspensa no dia 28 de janeiro por causa da deterioração da situação de segurança.

A ONU calcula que mais de 8.000 pessoas morreram desde o início dos protestos há um ano, embora a oposição acredite que o número de vítimas fatais supere 9.000.  

Tudo o que sabemos sobre:
Primavera ÁrabeSíriamissão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.