Chegam mais 152 brasileiros retirados do Líbano; Itamaraty acha difícil resgatar os demais

Mais 152 brasileiros que fugiram do Líbano chegaram neste domingo, 30, ao Brasil. O avião da Força Aérea Brasileira (FAB) fez escala em Recife, às 5h30 da manhã, onde ninguém desembarcou, e chegou em São Paulo às 10h30.O coordenador do Ministério das Relações Exteriores do Grupo de Trabalho de Apoio aos Brasileiros no Líbano, embaixador Everton Vieira Vargas, disse em entrevista coletiva no Itamaraty que, devido ao fechamento da fronteira entre o Líbano e a Síria, não sabe se será possível retirar mais cidadãos da região do Vale do Bekaa, onde vivem milhares de brasileiros.Israel atacou o prédio da alfândega libanesa na fronteira com a Síria, no sábado. Os bombardeios danificaram a estrada pela qual são evacuados os moradores da região, fechando a estrada entre os dois países pela primeira vez nestes 19 dias de conflito entre Israel e Hezbollah. "As autoridades brasileiras estão em contato com o governo do Líbano para estudar a situação", disse Vargas, reafirmando que a estrada bombardeada por Israel representava "a saída natural" para aqueles que fogem rumo a Damasco."Não sabemos até onde o bombardeio impede o trânsito e nem por quanto tempo", acrescentou o diplomata, que esclareceu que essa via de escape deixou de ser segura.Ainda de acordo com Vargas, outro avião da FAB embarcou neste domingo rumo a Adana, onde é esperado por outros 75 brasileiros que devemretornar ao país nos próximos dias. De acordo com informações da Rádio Jovem Pan AM, o embaixador Jadiel Ferreira de Oliveira disse que pelo menos 300 brasileiros estão na Turquia e aguardam vôos com retorno ao Brasil, que, segundo ele, deve acontecer na quarta ou na quinta-feira.Até agora, incluindo o vôo que aterissou hoje, o Itamaraty retirou 1.199 cidadãos da zona de conflito. Outros 519 brasileiros escaparam por seus próprios meios da região, fazendo com que o número total de evacuados do país chegasse a 1.718.Este texto foi alterado às 17h30.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.