Chegam os primeiros militares para plano de paz em Darfur

Os primeiros 38 militares e policiais da missão avançada da operação de paz da ONU e da União Africana (UA) para Darfur chegaram nesta quinta-feira à cidade de Al-Fashar, a maior desta região sudanesa, informou a agência de notícias do Sudão. Desde 2003, cerca de 200 mil pessoas foram mortas e 2 milhões tiveram de deixar seus lares devido a um conflito étnico entre mílicias apoiadas pelo governo e grupos rebeldes.Cerca de 20 membros da polícia internacional e 18 oficiais das Nações Unidas, a maioria originários de países africanos e asiáticos, chegaram a Al-Fashar junto com o representante do secretário-geral da ONU Armando da Silva, a bordo de um avião das Nações Unidas. Sadek Al-Makli, responsável do Ministério de Exteriores do Sudão, manifestou a disposição de seu país em cooperar e coordenar-se com a organização iternacional para facilitar o apoio da ONU à União Africana. Makli pediu que a ONU e a UA agilize a aplicação das recomendações das cúpulas de Adis-Abeba e Abuja para impulsionar a paz no Sudão.O diplomata sudanês pediu também a realização de reuniões com as facções que rejeitam a paz em Darfur e o apoio ao cessar-fogo. "Nenhuma força militar poderá trazer a paz a Darfur se o processo de paz não se completar antes do fim do ano", acrescentou. O secretário-geral das Nações Unidas, Kofi Annan, informou na quarta-feira oficialmente ao Conselho de Segurança sobre a resposta do presidente sudanês, Omar Hassan Ahmad al-Bashir, às propostas feitas pela ONU na semana passada através do enviado especial da organização, Ahmidu Weld Abdullah. O emissário da ONU tinha apresentado a Bashir um pacote de medidas que contempla o posicionamento de tropas da ONU em Darfur e, segundo Annan, a resposta do líder sudanês foi positiva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.