Cheia do Mississippi ameaça Memphis e Nova Orleans

O rio Mississippi subiu hoje para níveis não vistos em Memphis desde 1930, alagando casas em bairros mais baixos, mas não colocando em risco monumentos da cidade, como Graceland e Beale Street. Enquanto moradores esperavam as águas baixarem para voltar às casas em Memphis, mais abaixo, na Louisiana, funcionários abriram diques para aliviar a pressão das águas sobre Nova Orleans. As autoridades retiraram os detentos da maior penitenciária estadual, que pode ser invadida pelas águas. Em Memphis, 1.300 moradores estão fora de suas casas.

AE, Agência Estado

09 de maio de 2011 | 20h12

Chuvas pesadas e o derretimento da neve, no Alto Mississippi, provocaram as enchentes do rio mais abaixo, inundando pequenas cidades e fazendas à beira do rio em vários Estados norte-americanos. Na Louisiana, os engenheiros conseguiram abrir um canal que está levando o excedente de água do Mississippi para um lago e alivia a pressão sobre os diques da grande Nova Orleans.

Os engenheiros também pediram permissão para abrir um canal ao norte de Baton Rouge, pela primeira vez desde 1973. Funcionários alertaram os moradores que mesmo que o canal seja aberto, eles devem esperar que as águas subam 1,5 metro. Algumas das fazendas com terras mais valiosas da Louisiana poderão ser inundadas. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
riocheiaalagamentoMississippiEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.