Cheney elogia perdão a Nixon em funeral oficial de Ford

O vice-presidente Dick Cheney elogiou o ex-presidente dos Estados Unidos Gerald Ford em um funeral oficial no sábado por ter perdoado Richard Nixon, seu antecessor, e por ter ajudado a tirar o país da crise depois do escândalo Watergate. Ford, 38º presidente dos EUA, que morreu na terça-feira aos 93 anos, dirigiu os EUA através de uma "crise que poderia ter se transformado em catástrofe", disse Cheney, chefe da Casa Civil sob comando de Ford, há 30 anos, na cerimônia no Capitólio. Cheney falou depois da divulgação de que Ford, republicano moderado, afirmou em entrevista ao jornalista Bob Woodward que discordou da decisão do presidente George W. Bush de começar a guerra no Iraque. A reportagem foi publicada no jornal The Washington Post dois dias depois da morte de Ford. Ford ficou no cargo dois anos e meio depois que Richard Nixon tornou-se o único presidente a renunciar. Nixon saiu do posto em 9 de agosto de 1974, envolvido em um escândalo para encobrir a invasão do Comitê Nacional Democrata no complexo de escritórios Watergate, em Washington. Ford provocou polêmica ao conceder perdão a Nixon por crimes que ele pode ter cometido. A medida ajudou Jimmy Carter, democrata que o venceu em 1976. "Na política pode levar uma geração ou mais para um assunto ser resolvido, para os nervos se acalmarem", disse Cheney. "Nunca saberemos quais outros danos, quanta maldade poderia ter vindo naquela época de fúrias e corações frios. Mas sabemos isso: a América foi poupada do pior e isso foi o feito de um presidente americano." O caixão de Ford envolvido na bandeira dos EUA foi levado ao Capitólio em comitiva, depois de chegar à Base Andrews da Força Aérea, em Maryland. O caixão foi transportado da Califórnia em um Boeing 747 da frota presidencial. Uma limusine que levava a viúva de Ford, Betty, 88, parou por um momento no memorial da Segunda Guerra Mundial para marcar seu serviço na Marinha dos EUA. O caixão de Ford ficará em exibição até terça-feira, quando Bush fará um discurso na Catedral Nacional de Washington. O enterro será ao lado da biblioteca presidencial Ford em Grand Rapids, Michigan.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.