Cheney promete julgamento de David Hicks o mais rápido

O vice-presidente dos Estados Unidos, Dick Cheney, afirmou neste sábado que o australiano David Hicks, detido na basede Guantánamo (Cuba) há mais de cinco anos sem ter sido formalmente acusado, será julgado o mais rapidamente possível.Cheney, que conclui neste sábado sua visita oficial de dois dias à Austrália, disse em entrevista coletiva em Sydney que Hicks, conhecido como o "taleban australiano", "foi acusado e o Departamento de Defesa está agora decidindo se uma comissão militar pode ser criada para julgar o seu caso".No início de fevereiro, a corte marcial especial encarregada do caso propôs as acusações de apoio ao terrorismo, tentativa de assassinato e conspiração.As acusações serão analisadas pela autoridade militar americana, que tem que emitir uma resolução num período de 30 dias. Se for positiva, abrirá um prazo de 120 dias para apresentar uma acusação formal e poder processar Hicks.Antes da entrevista coletiva, Cheney manteve uma reunião de uma hora e meia com o primeiro-ministro australiano, John Howard, que ressaltou que não sente nenhuma compaixão por Hicks, mas explicou que a Austrália se preocupa com a longa detenção."Pedi que o julgamento comece assim que for possível e que não se atrase mais", disse Howard.Anúncios de televisão emitidos pela organização progressistaGetUp, com financiamento particular, exigem o retorno imediato de Hicks para que seja julgado na Austrália.Cheney garantiu que Hicks "se encontra entre os primeiro dafila" e ressaltou que não pode influir no processo judicial, o que "seria uma violação".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.