Genya SAVILOV / AFP
Genya SAVILOV / AFP

Chernobyl volta a produzir energia com usina solar

É a primeira vez em que se produz energia no local desde 2000, quando a usina nuclear finalmente foi fechada após o maior desastre nuclear da história

O Estado de S.Paulo

05 Outubro 2018 | 19h57

CHERNOBYL, UCRÂNIA  - A Ucrânia inaugurou uma usina solar em Chernobyl nesta sexta-feira, 5, bem diante de onde uma usina elétrica - hoje envolta por um sarcófago gigante - causou o pior desastre nuclear da história três décadas atrás.

Construída em uma área contaminada, que continua em grande parte inabitável e onde visitantes são acompanhados por guias munidos de medidores de radiação, 3,8 mil painéis produzem energia suficiente para 2 mil apartamentos.

Em abril de 1986 um teste mal sucedido no reator número 4 da usina soviética lançou nuvens de material nuclear por toda a Europa e obrigou dezenas de milhares de pessoas a se retirarem.

Trinta e um funcionários da usina e bombeiros morreram na esteira do acidente, a maioria devido a doenças agudas causadas pela radiação.

Mais tarde outras milhares sucumbiram a doenças relacionadas à radiação, como o câncer, mas o saldo total de mortes e os efeitos de longo prazo na saúde continuam causando um debate intenso.

“Não é só mais uma usina de energia solar”, disse Evhen Variagin, executivo-chefe da Solar Chernobyl LLC. “É realmente difícil subestimar o simbolismo deste projeto em particular”.

A usina solar de um megawatt é um projeto conjunto da empresa ucraniana Rodina e da alemã Enerparc AG, custou cerca de € 1 milhão e se beneficiou de tarifas renováveis que fixam um determinado preço para a eletricidade.

É a primeira vez em que se produz energia no local desde 2000, quando a usina nuclear finalmente foi fechada. Valery Seyda, gerente da usina nuclear de Chernobyl, disse que parecia que o local jamais voltaria a fazê-lo.

“Mas agora estamos vendo um novo broto, ainda pequeno, fraco, produzindo energia neste local, e isso dá muita alegria”, disse.

Dois anos atrás um arco gigantesco de 36 mil toneladas foi erguido sobre a usina nuclear para criar um invólucro para bloquear a radiação e permitir que os restos do reator sejam desmontados em segurança.

A inauguração coincide com um aumento de investimento acentuado em recursos renováveis na Ucrânia. Entre janeiro e setembro mais de 500 MW de capacidade de energia renovável foram acrescentados ao país, mais do que o dobro de 2017, disse o governo.

Yulia Kovaliv, que comanda o Conselho do Escritório Nacional de Investimento da Ucrânia, disse que os investidores querem aproveitar os benefícios de um esquema de subsídios generoso antes de o Parlamento realizar uma votação sobre sua revogação em julho do ano que vem. / REUTERS

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.