Chicago fará seu maior julgamento de mafiosos em décadas

Operação do FBI julgará 18 dos mais longos casos do crime organizado na cidade

Agencia Estado

18 Junho 2007 | 09h47

Parecia uma ótima idéia na época. Uma gangue de assaltantes decidiu, em dezembro de 1977, invadir a casa de Tony Accardo, um dos mais poderosos homens do crime organizado em toda a história, e roubar seu reduto. Anthony Joseph Accardo, mais conhecido como "Big Tuna" ("Grande Atum", em tradução literal) não gostou nem um pouco. Os seis homens que Accardo acusou pelo furto foram caçados e mortos, de acordo com jornais arquivados por promotores na preparação para o maior julgamento de Chicago em décadas, esperado para começar na próxima terça-feira, 19, segundo reportagem da Associated Press. Esta é apenas uma das horripilantes histórias que o júri poderá ouvir no julgamento de uma operação deflagrada pelo FBI (Polícia Federal dos Estados Unidos) para finalizar 18 longos e não-resolvidos processos criminais do crime organizado de Chicago - a "Operação Segredos de Família". "Essa investigação sem precedentes acerta diretamente a máfia", disse o promotor americano Patrick J. Fitzgerald no início das acusações em abril de 2005. "Isso será imprescindível para esclarecer acusações de assassinato e para nomear cada um na indústria da máfia de Chicago." Encabeçando a lista dos acusados estão alguns ex-líderes do crime organizado: James Marcello, Frank Calabrese e Joseph "Joe, o Palhaço" Lombardo. Entre os acusadores está o chefe de polícia aposentado Anthony Doyle. Um outro acusado, Frank "Alemão" Schweihs, conhecido por suas práticas de extorsão, está tentando permanecer fora do julgamento alegando motivos de saúde. O julgamento deve durar cerca de quatro meses. Como precauções de segurança, os nomes dos jurados e da maioria das testemunhas serão mantidos em sigilo. Crime organizado Accardo, o notório mafioso que teve sua casa assaltada, morreu em 1992, aos 86 anos. Ele se gabava de nunca ter passado uma noite sequer na cadeia. O caso já foi retratado diversas vezes em romances e filmes. Uma das testemunhas-chave do julgamento já está sob a guarda de um xerife federal para mantê-la preservada de mafiosos. Trata-se de Nicholas Calabrese, irmão de Frank Calabrese e íntimo conhecedor de mais de quatro décadas da história da máfia. Nicholas deve testemunhar contra seu irmão. Nicholas foi declarado culpado de várias acusações em maio deste ano e assumiu parte da culpa de 14 assassinatos, incluindo a morte de Tony "Formiga" Spilotro, conhecido como o braço da máfia de Chicago em Las Vegas. Seu corpo foi encontrado junto com o de seu irmão, em Indiana, em 1986. "Joe, o Palhaço" Lombardo, de 78 anos, e "Alemão" Schweihs haviam desaparecido após serem indiciados em 2005, obrigando o FBI a realizar uma grande operação de busca para encontrá-los. Após um período na clandestinidade, ambos foram recapturados em janeiro de 2006 e dezembro do ano anterior, respectivamente. Especialistas afirmam que o sindicato do crime em Chicago é tão intricado que seria impossível desmontá-lo mesmo que o governo realizasse uma limpeza profunda. Gus Russo, que descreveu a máfia de Chicago no livro The Outfit (sem tradução em português), relata que as ações da Lei de Organizações Corruptas Influenciadas pela Máfia tem ajudado vários procuradores a realizar progressos frente ao crime organizado. Contudo, diz o autor, "nossa sociedade sempre terá algum criminoso e ele sempre se organizará". "Isso pode até enfraquecer a máfia, mas não a extinguirá."

Mais conteúdo sobre:
Chicago FBI

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.