Chile abre investigação sobre morte de Salvador Allende

A Justiça do Chile decidiu abrir hoje uma investigação sobre a morte do presidente Salvador Allende, 37 anos depois do ex-mandatário chileno ter sido derrubado pelo golpe de Estado conduzido pelo general Augusto Pinochet e ter morrido no Palácio La Moneda.

AE, Agência Estado

27 de janeiro de 2011 | 20h12

Allende foi deposto em 11 de setembro de 1973 pelo chefe do Exército, o general Pinochet, o qual governou como ditador até 1990 e morreu em 2006, sem ser julgado por seus crimes. Allende e um pequeno grupo de guarda-costas, no dia 11 de setembro de 1973, se entrincheiraram e resistiram aos ataques das tropas amotinadas em La Moneda.

Allende, segundo uma parte dos depoimentos, teria cometido suicídio para não ser capturado pelos golpistas. Outras versões, contudo, afirmam que ele foi morto em um bombardeio dos amotinados.

A investigação sobre a morte de Allende será baseada em uma decisão da procuradora Beatriz Pedrals, do Tribunal de Apelações de Santiago, a qual pediu baseada em relatório de 1991 que fossem analisadas todas as violações aos direitos humanos cometidas durante a ditadura de Pinochet. O juiz do Tribunal de Apelações Mario Carroza deverá analisar agora 726 causas na abertura do caso sobre a morte de Allende. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
ChileinvestigaçãoSalvador Allende

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.