Chile acha bom negociação bilateral com Alca

Para o presidente do Chile, Ricardo Lagos, o caminho para a Alca vai ser mais rápido com as negociações com cada país, individualmente, para um tratado de livre comércio com os Estados Unidos. "O Chile iniciou negociações com os Estados Unidos para um acordo de livre comércio e creio que o México já tem um acordo de livre comércio. Portanto, a colocação de um acordo de livre comércio das Américas terá lugar a partir de um conjunto de negociações individuais. Creio que se o Chile avançar ou o se os outros países do Mercosul avançarem nas negociações, será uma contribuição importante para outras nações latino-americanas", afirmou à Agência Estado. Lagos, que se encontra em Portugal em visita oficial, acredita que só depois da reunião da Organização Mundial do Comércio (OMC) é que será possível ter as bases de negociação com a União Européia e os Estados Unidos. "Tanto a Europa como os Estados Unidos estão muito preocupados com o que vai ocorrer na cidade de Doha, no Qatar, na reunião da OMC, se estamos em condições ou não de lançar uma nova rodada de negociações. Acredito que os acordos de livre comércio vão avançar mais rápido depois de Qatar, porque agora tanto a Europa como os Estados Unidos não querem mostrar muitas cartas." O presidente chileno diz que seu país se alinha com a posição do Brasil e da Argentina na tentativa de abertura do mercado europeu de produtos agrícolas, mas acha que o Chile terá maiores facilidades nas negociações. "Temos uma posição similar, se bem que do ponto de vista do Chile, somos um país menor e do ponto de vista agrícola somos muito menos importantes. Deste ponto de vista pode ser mais fácil a posição negociadora do Chile, porque nossos produtos agrícolas não são tão competitivos como os produtos agrícolas do Brasil e da Argentina. Apesar disso, nessas negociações estamos buscando modalidades de trabalho conjunto."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.