Chile admite que agentes secretos invadiram consulado

O governo chileno reconheceu hoje que dois de seus agentes de inteligência, que atuaram "por conta própria e sem ordens superiores", ingressaram neste domingo no consulado argentino da cidade de Punta Arenas, no sul do país. De imediato, um general do Exército renunciou e um tenente-coronel foi exonerado. Um comunicado do Ministério da Defesa do Chile afirma que, por instruções do presidente Ricardo Lagos, a ministra de Defesa Michelle Bachelet, "iniciou uma revisão e um aperfeiçoamento dos procedimentos e regulamentos da inteligência, cujos resultados serão proporcionados brevemente pelo mandatário". O general que passou à reserva é o comandante da Região Militar Austral, general de divisão Waldo Zauritz Sepúlveda, "que, assumindo a responsabilidade final, apresentou sua renúncia, a qual foi aceita", diz o comunicado. O chefe da unidade de inteligência, tenente-coronel Hugo Poza Reyes, foi exonerado. Até o momento não há informações sobre a situação dos agentes, que possivelmente estão detidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.