Chile autoriza venda de pílula "do dia seguinte"

A Corte Suprema chilena rejeitou um recurso de opositores da pílula conhecida como "do dia seguinte", o que garante a venda do medicamento no país.O máximo tribunal descartou o recurso de um grupo contrário à pílula, que a considera abortiva. Meses antes, a corte havia rejeitado a pílula Postinal, mas o mesmo tribunal autorizou a comercialização de outra similar. O governo havia defendido a pílula usada um dia depois das relações sexuais, mas limitou sua venda às compradoras que apresentassem receita médica. Associações médicas também eram partidárias dessa pílula. Segundo os defensores da pílula "do dia seguinte", seu uso evita a gravidez não desejada e muitos abortos. Calcula-se que ocorrem anualmente cerca de 150.000 a 200.000 abortos no Chile, onde o procedimento é proibido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.