Chile convoca embaixador que se rebelou na ONU

O embaixador chileno perante as Nações Unidas em Genebra foi chamado ao Chile depois de se abster, em vez de rejeitar, uma resolução sobre o debate da situação dos direitos humanos na guerra, apresentada ontem pelos países árabes e Rússia; ao não seguir as instruções de seu governo, o embaixador abriu novo impasse entre seu país e os EUA, disseram fontes da Chancelaria em Santiago. O vice-chanceler Cristián Barros confirmou que o embaixador Juan Enrique Vega foi chamado para informar sobre sua atitude rebelde. "Ontem (quinta-feira) convoquei para informar o embaixador do Chile em Genebra, e a razão disso é solicitar suas explicações pessoais sobre por quê não seguiu as instruções dadas por esta Chancelaria", disse Barros à imprensa.O matutino La Tercera havia informado nesta sexta-feira que Vega havia desobedecido a ordens da Chancelaria chilena, de votar contra uma resolução dos países árabes que propunha um debate sobre a situação no Iraque na Comissão de Direitos Humanos das Nações Unidas. Vega, no entanto, se absteve, contrariando um compromisso assumido por Santiago com os EUA, de votar contra. "Voto rebelde deixa o Chile em posição muito incômoda", afirmou o matutino. Acrescentou que com esta posição o Chile se afasta dos EUA. Por sua vez, o embaixador disse ao diário que "não houve mudança de voto", embora tenha dito que fez "o que tinha de fazer naquele momento. Não estou dizendo que cumpri instruções da Chancelaria. Digo que não há nenhum comentário sobre isso." Em suas declarações a La Tercera, Vega disse que, em sua opinião, não cabia uma rejeição, "porque não se pode dizer que não há uma situação humanitária complicada, mas apenas que não é o momento adequado" para debatê-la. Vega, que é socialista como o presidente Ricardo Lagos, foi um estreito colaborador do governante durante a campanha que o levou ao poder. Foi designado por Lagos como embaixador em Genebra. Após o retorno da democracia ao país, em 1990, o diplomata foi embaixador em Cuba. Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.