Chile e México não reconhecem novo governo venezuelano

O Chile informou nesta sexta-feira que primeiro analisará a situação venezuelana antes de um eventual reconhecimento do governo encabeçado pelo empresário Pedro Carmona após a destituição do presidente democraticamente eleito Hugo Chávez. O presidente mexicano Vicente Fox disse que seu governo não vai reconhecer as novas autoridades venezuelanas até que sejam realizadas novas eleições no país. O secretário-geral do governo chileno, Heraldo Muñoz, afirmou que, "justamente numa situação na qual não há normalidade democrática, são produzidos estes espaços nos quais é necessário analisar o que está ocorrendo e, em seguida, promover o mais rápido retorno da vida democrática e constitucional".Muñoz, que também foi vice-chanceler do atual governo do presidente Ricardo Lagos, expressou "dor pelas vítimas e pela violência" na Venezuela. Neste sentido, manifestou a solidariedade do governo chileno com o povo venezuelano e lamentou a violência e as mortes ocorridas ontem. Muñoz desmentiu uma versão segundo a qual o ministro de Defesa da Venezuela, José Vicente Rangel, teria pedido asilo na embaixada do Chile em Caracas.Leia o especial sobre a crise na Venezuela

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.