Chile homenageia Allende no 36º aniversário do golpe

A presidente do Chile, Michelle Bachelet, disse hoje, no dia em que se completa o 36º aniversário do golpe que derrubou o presidente socialista Salvador Allende, que nesses 36 anos houve uma caminhada dos diferentes setores chilenos rumo "à democracia e ao respeito aos direitos humanos". Em uma cerimônia em um dos pátios da sede do governo, a presidente prestou a habitual homenagem aos mortos durante o golpe. Ela estava acompanhada da mãe, Angela Jeria, viúva de Alberto Bachelet - general da Força Aérea torturado e morto na prisão por colaborar com Allende.

AE-AP, Agencia Estado

11 de setembro de 2009 | 14h53

Bachelet, socialista como Allende, afirmou que os mortos pelo golpe são "mártires da democracia". Havia 250 convidados para o ato, entre eles colaboradores de Allende. Já os militares, após a morte há quase três anos do ex-ditador Augusto Pinochet, comemoram com uma cerimônia privada o aniversário do golpe, que os levou ao poder durante 16 anos. Eles recordaram a data com uma missa privada na Escola Militar.

Tradicionalmente este é um dia de incidentes e confrontos no Chile, porém hoje houve apenas alguns distúrbios esporádicos. Ontem à noite um grupo de jovens apedrejou uma delegacia perto de Santiago. Sete pessoas foram detidas, cinco delas menores de idade. Várias universidades anteciparam suas férias a fim de impedir que os alunos participassem de manifestações nas ruas. Governo e polícia estabeleceram um plano de segurança com o objetivo de evitar maiores problemas.

Tudo o que sabemos sobre:
ChileAllendeaniversáriogolpe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.