Chile já tem 20 réplicas de tremor

Terremoto de magnitude 8,2 atingiu o país na noite de terça-feira e matou ao menos 6 pessoas

O Estado de S. Paulo,

02 de abril de 2014 | 09h33

SANTIAGO -  Ao menos 20 réplicas foram registradas após o terremoto de magnitude 8,2 na escala Richter que atingiu na noite desta terça-feira o norte do Chile. Segundo a página do Centro Nacional Sismológico da Universidade do Chile, a maioria das réplicas teve magnitudes superiores a 5.

Veja também:
link Terremoto no Chile: envie seu relato 
link Vídeo: escritório treme durante terremoto no Chile 
link Animação mostra impacto de tsunami no Chile 

O sismólogo e acadêmico da Universidade do Chile, Mario Pardo, afirmou que o terremoto de magnitude 8,2 ocorrido na região norte do país poderia ser  o fenômeno telúrico que os especialistas esperavam para esse local.  "É um dos cenários possíveis, mas ainda não se pode dizer nada com certeza", disse Pardo em declarações para a rádio "Bío-Bío".

Por outro lado, o geógrafo Marcelo Lagos disse que esse não é o evento (sísmico) que esperamos. "É preciso estar alerta", declarou Lagos em entrevista para a "Televisión Nacional".

Os sismólogos classificaram grande parte do norte do Chile como uma "zona quente" para um grande terremoto, já que desde 1878 não se registra um tremor de grande magnitude nessa área. Os especialistas trabalham com um intervalo de entre 70 e 100 anos para que um tremor de grandes proporções volte a atingir a mesma área, o que, nesse caso, também afetaria o sul do Peru.

O último grande terremoto seguido de tsunami no Chile aconteceu no dia 27 de fevereiro de 2010, de magnitude 8,8 na região central e sul do país, deixando 526 mortos, 800 mil desabrigados e mais de US$ 30 bilhões em prejuízos.

Desde o período colonial, o Chile teve pelo menos 80 terremotos, que somente nos últimos 60 anos causaram 40.718 mortes. / EFE

Tudo o que sabemos sobre:
Chileterremoto no Chile

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.