EFE
EFE

Chile nega existência de base militar na fronteira com Bolívia denunciada por Evo

Chancelaria chilena, no entanto, admitiu uma ‘intensificação’ do patrulhamento militar para evitar crimes na região fronteiriça

O Estado de S. Paulo

09 Maio 2016 | 11h01

SANTIAGO - O Chile negou a existência de uma base militar a 15 km da fronteira com a Bolívia, em resposta à acusação lançada pelo presidente boliviano Evo Morales, mas admitiu uma "intensificação" do patrulhamento militar para evitar crimes na região fronteiriça, informou no domingo a chancelaria.

Evo denunciou a existência de uma base militar chilena próxima às águas do rio Silala, cuja soberania é disputada com La Paz, que levará o caso à Corte Internacional de Haia (CIJ).

"É totalmente infundada a acusação do presidente boliviano de que o Chile teria instalado uma base militar 'ilegal' a menos de 15 km da fronteira com o país, na região do rio Silala. Não existe essa suposta instalação militar", garante a mensagem.

"O que tem havido é uma intensificação do patrulhamento militar em território chileno para impedir os ataques contra civis, roubos, contrabando e narcotráfico provenientes da Bolívia", completa a mensagem.

A chancelaria chilena denuncia a Bolívia por uma instalação militar "apenas a 1,5 km em linha reta da fronteira do Chile". "A Bolívia deveria responder por essa presença militar permanente na fronteira". /AFP

Mais conteúdo sobre:
Chile Evo Morales Bolívia base militar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.