Chile prende militares bolivianos que estariam em seu território

Bolívia negocia a 'restituição imeditada e a devolução do equipamento ' de seus 14 oficiais

Efe,

18 de junho de 2011 | 01h43

LA PAZ - O governo do presidente Evo Morales confirmou nesta sexta-feira, 17, a detenção de 14 militares bolivianos na fronteira com o Chile e disse que administra sua "restituição imediata e a devolução do equipamento que levavam para cumprir suas funções".

 

Um comunicado do Ministério da Defesa acrescenta que a chancelaria boliviana fornecerá as informações requeridas pelo Chile "a fim de esclarecer este caso isolado".

 

Segundo o documento, uma equipe do Comando Conjunto Andino produzia uma patrulha noturna rotineira na fronteira, como parte do "Plano Ferrolho" contra o contrabando, quando foi interceptada por carabineiros chilenos no setor de Huayllas.

 

A patrulha está detida na localidade chilena de Colchane porque presumivelmente excedeu o limite fronteiriço, indica o governo de Evo Morales.

 

Além disso, o documento explica que os 14 militares "se encontravam em dois veículos, com placas chilenas, que tinham sido apreendidos de contrabandistas em território boliviano em 11 e 12 de junho".

 

"Estão sendo realizadas as investigações nas instâncias e níveis correspondentes para determinar as circunstâncias nas quais aconteceu este incidente e assumir as ações pertinentes", acrescenta o Ministério da Defesa.

 

Em Santiago, a versão apresentada pela polícia chilena indica que os militares bolivianos armados foram detidos quando se deslocavam pelo lado chileno da fronteira em dois veículos.

Tudo o que sabemos sobre:
BolíviaChile

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.