AFP PHOTO /MARTIN BERNETTI
AFP PHOTO /MARTIN BERNETTI

Países suspendem alertas de tsunami emitidos após o terremoto no Chile

Oito pessoas morreram após tremor de magnitude 8,3; mais de 1 milhão de pessoas foram retiradas de suas casas

O Estado de S. Paulo

17 Setembro 2015 | 08h22

SANTIAGO - Países vizinhos ao Chile suspenderam nesta quinta-feira, 17, o alerta de tsunami que haviam emitido após o terremoto de 8,3 graus ocorrido em Santiago, capital chilena, na noite de quarta. Na manhã desta quinta, o governo chileno anunciou a suspensão do alerta para tsunami em todo o território nacional, medida tomada anteriormente por outros países da América do Sul.

Na quarta-feira, as autoridades do Equador descartaram a possibilidade de um tsunami em seu litoral, mas anunciaram que havia a possibilidade de uma ressaca "entre forte e média". A secretária de Gestão de Riscos do país, María del Pilar Cornejo, disse que as embarcações que estão no mar devem permanecer longe da costa e recomendou que pessoas e outras embarcações não entrem no oceano.

No Peru, o Serviço de Hidrografia da Marinha de Guerra cancelou o alerta de tsunami em sua costa também na noite de quarta, mas pediu que população não se aproximasse das praias. Nas regiões de Tacna e Moquegua, as mais próximas do Chile, se recomendou que a população de áreas costeiras procure refúgio em áreas mais elevadas como medida de precaução.

A Nicarágua, que vem sofrendo com fenômenos sísmicos desde a última sexta-feira, foi decretado estado de atenção em seu litoral do Pacífico em razão de uma possível ressaca. A ordem do governo nicaraguense veio depois que o Centro de Alerta de Tsunamis do Pacífico dos EUA emitiu um aviso de tsunami para ondas de mais de três metros no Chile e avisou que ondas de até um metro poderiam chegar a México, Japão, Havaí, Rússia e partes da América Central e da Oceania.

A Nova Zelândia e Fiji, cercadas pelo Oceano Pacífico, continuam com alertas preventivos. Em Fiji, as autoridades também emitiram um alerta de precaução pedindo aos moradores de áreas costeiras que fiquem atentos aos acontecimentos, mas esclareceu que ainda não solicitou "uma ação ou movimento imediato", segundo o site de notícias Fiji Times.

A Nova Zelândia pode ser atingida por ondulações de um metro, enquanto na Polinésia Francesa as ondas podem chegar a três metros, de acordo com dados do Centro de Alertas de Tsunami do Pacífico, que tem sede no Havaí.

Nova Caledônia, Fiji, Samoa, Samoa Americana, Ilhas Cook, Tonga e outros territórios insulares do Pacífico também podem ser afetados por ondas de um metro, que seriam menores em Tuvalu, Papua Nova Guiné e Nauru.

Danos. O porto de Coquimbo, no norte do Chile, sofreu graves danos e está inoperante em razão do forte terremoto, informou o ministro do Interior chileno, Jorge Burgos.

O tremor, que foi seguido por dezenas de réplicas, foi registrado nas regiões central e norte do Chile e deixou ao menos 8 mortos. Mais de um milhão de pessoas foram retiradas de suas casas após o tremor./ EFE e REUTERS

Mais conteúdo sobre:
terremotoChiletsunami

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.