Chile trocará 'ditadura' por 'regime' em livros escolares

Ministro de Educação do governo de direita diz que medida, aprovada em dezembro, não tem fundo político

SANTIAGO, O Estado de S.Paulo

05 de janeiro de 2012 | 03h01

O Conselho Nacional de Educação do Chile decidiu mudar a descrição do antigo governo militar do país de "ditadura" para "regime" nos livros escolares. O conselho aprovou a mudança em sessão especial em dezembro, mas a medida só se tornou de conhecimento público depois que o diário digital El Dinamo a divulgou ontem.

O ministro de Educação do Chile, Harald Beyer, disse que o governo decidiu fazer a mudança nos livros do primeiro ao sexto anos básicos e usar um "termo mais geral" para definir o período da história chilena - de 1973 a 1990 - depois que educadores estudaram a questão. Ele assegurou que a alteração não tem fundo político.

"Isso não tem a ver com simpatizantes ou opositores, mas com expressões que se usam habitualmente nos currículos em distintas partes do mundo", afirmou o ministro, acrescentando que, pessoalmente, não tem nenhum problema em reconhecer que aquele foi um "regime ditatorial".

A direita chilena, que voltou ao poder depois de 20 anos com a eleição do presidente Sebastián Piñera, foi a base ideológica da ditadura de Augusto Pinochet, que começou após o golpe contra o governo socialista de Salvador Allende e deixou mais de 3 mil opositores do regime mortos. / AFP e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.