AP Photo/Dario Lopez-Mills
AP Photo/Dario Lopez-Mills

Chileno que ficou 69 dias preso em mina dá conselho a time de futebol tailandês

'Eles não devem ficar com vergonha de terem medo porque nós também tivemos medo. Nossas lágrimas também caíram. Mesmo sendo homens adultos, nós choramos.', declarou Omar Reygadas

O Estado de S.Paulo

04 Julho 2018 | 03h23

Um dos 33 mineiros resgatados no Chile em 2010, Omar Reygadas deu conselhos para os adolescentes do time de futebol tailandês que estão presos em uma caverna: ajudem uns aos outros e se preparem mentalmente para o resgate.

Reygadas passou 69 dias preso em uma mina no Chile. “É terrível para eles. Eles são pequenos, mas eu acredito que meninos com muita força vão conseguir ficar inteiros quando saírem”, disse à Associated Press na terça-feira, 3.

Os 12 meninos e o treinador de futebol ficaram presos dentro da caverna devido às chuvas intensas que inundaram o local no dia 23 de junho. Mergulhadores encontraram o grupo na última segunda-feira, 2, mas a equipe de resgate provavelmente irá precisar ensinar os garotos a nadar usando equipamento de mergulho.

+ Para entender: os riscos no resgate dos meninos presos em uma caverna na Tailândia

+ Chuvas ameaçam resgate de grupo preso em caverna na Tailândia

Reygadas disse que “o treinador será uma figura central em mantê-los motivados”. Ele disse que é difícil mandar um conselho, mas que “eles devem apenas pensar em deixar a caverna e se reunir com suas famílias.”

Reygadas e mais 32 mineiros ficaram presos a quase 700 metros abaixo do Deserto do Atacama, no Chile, antes que uma cápsula especialmente construída para o resgate pudesse entrar por um poço perfurado e resgar um por um.

Fé e oração, além de bom humor, foram muito importantes para os mineiros quando eles duvidavam que seriam resgatados, disse Reygadas.

“Eles não devem ficar com vergonha de terem medo porque nós também tivemos medo. Nossas lágrimas também caíram. Mesmo sendo homens adultos, nós choramos.”/AP

Mais conteúdo sobre:
Tailândia [Ásia] caverna

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.